92

olhar esguio que não alcança nada. mas existe.
atenção dispersa, café ralo, conversa boa. pra quê carecer de mais, meu deus? basta a vida, basta o amargor sutil em cada enlace; farta-me o meu quinhão. não, não preciso precisar de mais. continuo buscando, no entanto. até o ranger dos dentes e o arfar desgastante de costelas.

3 comentários:

VerMent* disse...

Belo!

poemismo disse...

bonito quanto pode ser o poema?

Estevão Daminelli disse...

só o café ralo que carece mais.
o resto, basta.
bonito.