41

Quando estou beirando a insanidade percebo que é hora de voltar a escrever. Mas, quando volto, deparo-me, admirado, com a certeza de que não há nada a dizer. Às vezes tenho vontade de virar os olhos pra dentro da cabeça, reconhecer a massa cinzenta, ter mais familiaridade com ela. Mapear cada linha de raciocínio. Quem sabe, em alguma trilha, eu encontrasse um assunto perdido, uma argumentação que levaria alguém a algo. Não há mais conclusões, entretanto. A maioria dos livros que eu leio fala exatamente a mesma coisa, de modos diferentes: lutamos, qual loucos, para achar meios novos de nos expressarmos, teorias e conceitos que consideramos ser revolucionários, que temos prazer em achar que eles nunca foram pensados por outrém. Amamos mentir para nós mesmos. Amo ler algum texto perdido e supor que de lá sai algo, não apenas trabalho, academia, reconhecimento. Reconhecimento? Estima? Não. Quero que saia um ser humano. Que saia de entranhas que sangram. Com erros, repetições, quiçá alguns clichês necessários. Um sujeito meio-termo, com quem eu possa me identificar e ao mesmo tempo admirar por não ser parecido comigo. Um casamento entre Stephen e Leopold. No que daria?

7 comentários:

Alisson da Hora disse...

Eu até hoje me sinto meio Dedalus. E estou numa fase praticamente igual à tua. Te entendo perfeitamente.

besos.

Camila S. disse...

A mesma música, o mesmo vazio, o eterno retorno.

jefhcardoso disse...

Aline, as pessoas escrevem para desabafar, e o que lemos são simples desabafos construidos de uma idéia, uma vivência, sei lá. O interessante é que sempre estamos à procura de nos prencher e isso é viver.
Aproveito a sorte de estar aqui em seu blog e lhe convido para opinar em meu trabalho que já dura quase três meses (O Diário de Bronson).

Abraço do Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

jefhcardoso disse...

Aline, do seu comentário em meu blog: sim; vamos tentando buscar a expressão literária; e com sorte a alcançaremos. O seu comentário foi único; e me deixou muito feliz por sua atenção. Quero que fique comigo para todas postagens que vierem.

Abraço do Jefhcardoso

jefhcardoso disse...

Mais uma coisa: É que meu blog está concorrendo ao Prêmio Top Blog e eu preciso de seu apoio com um voto. O selo para votar está em meu blog. Posso lhe esperar? Abraço e grato desde já, Aline.

Jefhcardoso

Paty disse...

Lindo, reflexivo e verdadeiro: sempre achamos que estamos inaugurando alguma coisa na arte de expressar... é triste, muitas vezes, saber que não.

Beijos

Guilherme disse...

Pô, demorei demais pra comentar nesse texto, neh?
Enfim, um bom texto. É bom ver mais texto do que reclamação (embora seus textos com reclamações implicitas e poéticas sejam meus favoritos).
XD