98

ar
aspiro, inchado de sonhos.
tanta aspiração causa-me desconforto aos pulmões
e ao espírito.
pesado, sem domínio de mim mesmo,
sou expelido do mar em fúria,
para o leito macio que me espera com sal e morte.

5 comentários:

VerMent* disse...

estamos na vibe do sal... acho que em ambos os casos ele purifica. O ar anda inchado de sonhos mesmo... só queria que eles precipitassem para a realidade.

Anderson Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anderson Lopes disse...

Inspire sonhos
Expire poesia

Antônio LaCarne disse...

incrível esse poema! cada palavra certeira e cheia de verdade.

parabéns.

VerMent* disse...

Eita, cadê vc moça??