63

depois de anos, de universos criados em camadas de poeira, eu tiro o embrulho daquele livro que você me deu. nunca o li, pois eram quatro tomos e eu só tinha o primeiro e o terceiro, ambos presentes de natal de você para mim. o tempo de ler o livro já foi, você vai dizer. mas e se eu  puder recuperar minha cabeça de então? eu sei que muitas já me foram arrancadas desde aquele momento, mas se elas continuam crescendo, as que morrem devem voltar. o seu tempo já passou, o livro me dirá. que posso eu contra um livro, meu deus? a sua não-leitura irá me infernizar até o fim de meus dias. e você já sabe como isso vai acabar: em leitura-estupro.

3 comentários:

Dai disse...

Pessoas e leituras, enquanto você não considera esgotado, sempre voltará a mesma página.

beijo

Camila S. disse...

A violência dos relacionamentos...

Lívia disse...

é meu tb o seu escrito. vou fazer dele uma imagem. te dou de preente depois.